domingo, 10 de novembro de 2013

Fôlego (Jasmim)

De teu fôlego, quase ilimitado,
guardo os beijos épicos, violentos
como se turbilhões de sentimentos
fluíssem de teu hálito abrasado

Como um ser bestial que, enjaulado,
encontrando o seu último rebento
em um misto de doçura e tormento
o teu beijo era amargo e adocicado!

Porém pra ser feliz há tempo, há hora
A foice do tempo levou-te embora
e a punição que, em lágrimas, percebo

É lembrar a cada instante de ti
nos beijos ardentes que recebi
e nos beijos sem gosto que recebo!