terça-feira, 31 de maio de 2011

Debate (Maconha)

Antes de qualquer coisa devo adiantar que não sou usuário de Maconha - não que esta afirmação me faça superior, afinal, trata-se de uma escolha pessoal, porém imagino que ela levantará a reflexão: “A descriminalização das drogas culturais é uma demanda de drogados sobre a qual não se precisa refletir”? Não uso maconha, mas sou a favor de sua legalização.
Não uso o argumento da aniquilação do tráfico, afinal, o tabaco, embora legal, é um dos produtos mais contrabandeados em nossas fronteiras e com a erva não seria diferente. Assim como acho ridícula a afirmação dos que são contra a descriminalização da maconha de que “sua liberação funcionaria como um merchandising do produto, ver outras pessoas fumando cannabis em praças e bares seria um incentivo ao seu uso”. Este argumento é facilmente derrubado quando pensamos em um dado: Na Holanda, onde a maconha é legal, 5% da população usa a erva, nos Estados Unidos, onde a mesma é proibida, 10% da população a usa.
Assim, percebemos que o debate, em nossas instâncias, ainda se dá de forma muito apaixonada, em parte, por paixões de uma sociedade hipócrita que se diz contra a maconha, mas que todo ano mata milhares de pessoas no trânsito, em sua maioria pelo excessivo uso de álcool.
Precisamos tratar o debate com a seriedade que ele merece, precisamos tirar o caráter de obviedade e, acima de tudo, pensar nas questões de envergadura nacional destituídos de paixões pessoais. Por hora, paro com o texto (almoçar), mas o retomarei.

São João São

Dias que antecedem o São João de Campina Grande... Por incrível que pareça, as eleições de 2012 e, pasmem, de 2014 já são temas que rodeiam o evento. Enquanto a tônica do discurso for esta seremos menores do que poderíamos ser.
Mas o fato é que os festejos se aproximam. Parque do Povo, Expresso Forroviário, Momento Junino, festas nas cidades do Compartimento da Borborema, enfim, um mês movimentado (o que, aliado ao fim de semestre da universidade, acabam com o indivíduo).
Acho interessante a iniciativa de amigos que, querendo me tirar do ostracismo que me imponho, tem telefonado e deixado mensagens nas quais, lembrando de festas anteriores, projetam a festa deste ano. Comparecerei, me divertirei e, mais uma vez, escaparei sem um arranhão sequer, não... Não tenho vocação para ser estatística.
Bem, resta-nos aguardar e fazer nosso concurso domingo! Que venham os festejos, que venham as razões para eles.

sábado, 14 de maio de 2011

Messianismo

À Campina Grande
Menina, o seu poeta vai embora!
Não que ele queira ir e não te ame
Mas, derrotado, em rude certame
Terá que se curar, morrendo, fora!

Ai! Ele vai de coração partido...
Lembrando dos momentos entre amantes
Sabendo, nada será como antes
E pensando como teria sido...

O seu poeta vai e em prantos brada:
“Que se torne pagã a luz sagrada
Que cessem o meu canto e os meus passos

E vague minh’alma a chorar a esmo
Se um dia eu não mais puder ser eu mesmo
E, mais uma vez, dormir em teus braços"!

terça-feira, 3 de maio de 2011

Cena

Meia taça de vinho tinto
Borda marcada de batom
Meia taça, Meia-taça, meia, taça...
Olhares assustados, inseguros.
Dedos que se revezam sobre a mesa
Enfim, corpo que diz ao predador:
- Eis sua presa!