sábado, 10 de janeiro de 2009

Manipulação

Parte dos atributos que criticamos nas outras pessoas fazem parte de nossa constituição, o interessante é que nos outros eles parecem absurdos e criamos justificativas e teorias para tornar nobre o uso no nosso caso.
Uma das características mais recorrentes nas pessoas é o desejo de manipulação do outro. O que em suas entranhas esconde mais do que uma simples compulsão por mando, quando se tenta manipular uma pessoa se está cassando seu direito mais legítimo, no que tange a teologia cristã, que é o direito de liberdade de ação. Mais que isso, se está tendo a pretensão de governar um destino que não o seu.
Um fantoche não tem inteligência, vontade e sentimentos... Enfia-se a mão nele e com breves movimentos ele realiza o que nós queremos. E o que é manipular alguém se não julga-lo sem inteligência para decidir por si só, sem direito a exercer sua vontade e sem direito a agir conforme se sinta bem?
Ficamos chocados com crimes passionais como o da jovem Eloá, assassinada pelo namorado, mas isto é só uma manifestação do que fazemos a nossos filhos. Se olhássemos direito para nós a idéia de matar por amor, pareceria mais próxima do que absurda. Aliás, se olhássemos para nós, falaríamos menos e seriamos melhores pessoas.

sexta-feira, 9 de janeiro de 2009

Férias

Esses dias pensava à respeito da tão reverenciada CLT [Consolidação das Leis Trabalhistas], um belo trunfo de Getúlio Vargas é verdade, mas que beneficiou, inegavelmente, os trabalhadores brasileiros.
Mas entre tantas coisas que são esdrúxulas na Constituição Federal, pensei: será que o trabalhador tem realmente direito a férias? Não me refiro a “algumas empresas” da iniciativa privada que, “com seu impressionante poder de convencimento”, compram parte dos dias de descanso, mas da qualidade das férias que os vencimentos do trabalhador podem comprar.
Principalmente em nossa bela Campina Grande onde a única atração deste fim de ano foi assistir aos Ex-Celetistas [demitidos após as eleições] da prefeitura fechando a Avenida Floriano Peixoto em protestos para receber seus “direitos” [garantidos pela CLT].
Agora, se tomarmos o sentido etimológico do termo veremos que Campina sai, indubitavelmente, na frente. O termo feria, na Roma antiga, designava um dia em que não se trabalhava por questões religiosas.
Ficar enclausurado em casa parece realmente algo de fundo religioso. Parabéns pela Fé povo brasileiro!