segunda-feira, 31 de dezembro de 2007

Feliz 2008

Fim de ano, para muitos apenas mais uma noite de sono, para outros um ritual, é inegável a melancolia que envolve esta última semana de Dezembro, afinal, pensamos nos planos não realizados do ano posterior, naquele regime que começaria no Feriado Universal do dia 1, nos estudos para o concurso que iniciaríamos tão logo passassem as festas, mas a verdade é que vislumbrar as coisas é sempre mais fácil do que lutar pela sua execução e nos sentimos fracos ao perceber isto, bem para evitar a melancolia ofereço músicas eletrônicas a minha cognição, sugerindo para mim um estado de euforia [bem uns bebem, outros cheiram cocaína, eu danço... posso?]...
Mas o fato é que devemos entre um gole, uma cheirada ou uma música e outra fazer uma introspecção e tentar criar um ano com menos erros, menos socos em pontas de facas. Ou caso contrário amanhã nos levantaremos da mesma forma [exceto pela ressaca].
Deixo para quem se aventurar a ler a frase do Pastor e Líder do movimento negro Martin Luther King: Eu também sou vítima de sonhos adiados e de esperanças dilaceradas, mas eu tenho um sonho”!
Bem desejo a meus leitores [meia dúzia de gente] uma 2008 de sucesso e felicidade no sentido mais visceral do termo.

terça-feira, 18 de dezembro de 2007

Esmola à Dulce

Estava lendo o edital do concurso do TRF, isso mesmo vou tomar vergonha e tentar me tornar funcionário público, bem no meio de minha leitura começo a ouvir Padre Zezinho ou sei lá que danado de padre era aquele [com todo respeito], repentinamente uma voz estridente começa a falar no microfone: “tenho 49 anos, sou um pai de família, trabalhei a vida inteira, peguei tanto peso que minha coluna estourou [não me perguntem como foi isso, pensei em várias possibilidades] e agora estou impedido de trabalhar, mas você que faz caridade pode me ajudar, estamos na época natalina contribuam... O brigado minha senhora Deus lhe pague”.
Pensei: "Simples... Ele se aposenta por invalidez, recebe um salário mínimo mensalmente, vende esta porcaria de carro por uns sete mil, investe num VGBL e vive tranqüilo até morrer”....[Como é fácil resolver problemas dos outros]
Mas será que ele se contentaria com R$ 400,00 por mês? Óbvio que não ele fatura muito mais com a boa fé alheia, que, aliás, no Brasil abunda.
Não ajudei, nem fiquei com peso na consciência, afinal cada centavo que tenho foi suado, acredito que alguns desses centavos suados exageradamente.
Bem se ele precisar de um serviço de marketing estou aqui, cobro barato. Que ele continue a pedir e que eu passe no concurso.

quarta-feira, 12 de dezembro de 2007

Acórdão é oxítona?

Porque todos os homens são iguais, sendo que uns são mais iguais do que outros...

AIME 7

Réu: Senador José Maranhão (PMDB)
Autor: Coligação Por Amor à Paraíba
Data do protocolo: dezembro de 2002
Data final do julgamento: 26 de fevereiro de 2007
Objeto: utilização do jornal estatal A União
Relator: Juiz Corregedor Alexandre Targino
Sessão presidida por: Desembargador Abraham Lincoln

Resumo do que disse o relator: “O mencionado jornal, em tese, tem como finalidade servir de veículo de divulgação de publicidade institucional de caráter informativo ou de orientação social dos atos, obras, serviços e projetos governamentais ... resta claro que as notícias veiculadas nos exemplares de julho de 2002 referem-se às informações pertinentes ao governador ... pelo que consta não há potencial lesivo suficiente ao desequilíbrio do pleito eleitoral”.
Voto: Pela improcedência da ação.A Corte, por unanimidade, acompanhou o relator, inclusive o juiz Carlos Eduardo Leite Lisboa e o desembargador Jorge Ribeiro.Interpretação: Em 2002, o jornal A União era uma simples publicação que passava desapercebida. Incapaz de informar ou interferir em um pleito eleitoral.

AIJE 251

Réu: Governador Cássio Cunha Lima (PSDB)
Autor: Procuradoria Regional Eleitoral
Data do protocolo: 30 de setembro de 2006
Data final do julgamento: 10 de dezembro de 2007
Objeto: utilização do jornal estatal A União
Relator: Juiz Corregedor Carlos Eduardo Lisboa
Sessão presidida por: Desembargador Jorge Ribeiro – voto de minerva

Resumo do que disse o relator: O magistrado falou durante cerca de duas horas. O corregedor deu destaque a fotos e notas em colunas sociais e comentários de colunistas políticos. Segundo ele, em várias publicações a imagem de Cássio é enaltecida, enquanto a do seu adversário denegrida. O juiz afirma que há potencialidade para desequilibrar o pleito.
Voto: Pela procedência da ação para cassar o diploma do governador e do vice-governador eleitos, aplicar a multa de R$ 100 mil e inelegibilidade por três anos.A votação ficou empatada em 3 a 3 e o presidente do Tribunal, Jorge Ribeiro, seguiu o relator.Interpretação: Em 2006, o jornal A União tornou-se um campeão de vendas e assinaturas, transformando-se no maior jornal do Estado e com potencialidade capaz de reverter qualquer pleito eleitoral