segunda-feira, 31 de dezembro de 2007

Feliz 2008

Fim de ano, para muitos apenas mais uma noite de sono, para outros um ritual, é inegável a melancolia que envolve esta última semana de Dezembro, afinal, pensamos nos planos não realizados do ano posterior, naquele regime que começaria no Feriado Universal do dia 1, nos estudos para o concurso que iniciaríamos tão logo passassem as festas, mas a verdade é que vislumbrar as coisas é sempre mais fácil do que lutar pela sua execução e nos sentimos fracos ao perceber isto, bem para evitar a melancolia ofereço músicas eletrônicas a minha cognição, sugerindo para mim um estado de euforia [bem uns bebem, outros cheiram cocaína, eu danço... posso?]...
Mas o fato é que devemos entre um gole, uma cheirada ou uma música e outra fazer uma introspecção e tentar criar um ano com menos erros, menos socos em pontas de facas. Ou caso contrário amanhã nos levantaremos da mesma forma [exceto pela ressaca].
Deixo para quem se aventurar a ler a frase do Pastor e Líder do movimento negro Martin Luther King: Eu também sou vítima de sonhos adiados e de esperanças dilaceradas, mas eu tenho um sonho”!
Bem desejo a meus leitores [meia dúzia de gente] uma 2008 de sucesso e felicidade no sentido mais visceral do termo.

terça-feira, 18 de dezembro de 2007

Esmola à Dulce

Estava lendo o edital do concurso do TRF, isso mesmo vou tomar vergonha e tentar me tornar funcionário público, bem no meio de minha leitura começo a ouvir Padre Zezinho ou sei lá que danado de padre era aquele [com todo respeito], repentinamente uma voz estridente começa a falar no microfone: “tenho 49 anos, sou um pai de família, trabalhei a vida inteira, peguei tanto peso que minha coluna estourou [não me perguntem como foi isso, pensei em várias possibilidades] e agora estou impedido de trabalhar, mas você que faz caridade pode me ajudar, estamos na época natalina contribuam... O brigado minha senhora Deus lhe pague”.
Pensei: "Simples... Ele se aposenta por invalidez, recebe um salário mínimo mensalmente, vende esta porcaria de carro por uns sete mil, investe num VGBL e vive tranqüilo até morrer”....[Como é fácil resolver problemas dos outros]
Mas será que ele se contentaria com R$ 400,00 por mês? Óbvio que não ele fatura muito mais com a boa fé alheia, que, aliás, no Brasil abunda.
Não ajudei, nem fiquei com peso na consciência, afinal cada centavo que tenho foi suado, acredito que alguns desses centavos suados exageradamente.
Bem se ele precisar de um serviço de marketing estou aqui, cobro barato. Que ele continue a pedir e que eu passe no concurso.

quarta-feira, 12 de dezembro de 2007

Acórdão é oxítona?

Porque todos os homens são iguais, sendo que uns são mais iguais do que outros...

AIME 7

Réu: Senador José Maranhão (PMDB)
Autor: Coligação Por Amor à Paraíba
Data do protocolo: dezembro de 2002
Data final do julgamento: 26 de fevereiro de 2007
Objeto: utilização do jornal estatal A União
Relator: Juiz Corregedor Alexandre Targino
Sessão presidida por: Desembargador Abraham Lincoln

Resumo do que disse o relator: “O mencionado jornal, em tese, tem como finalidade servir de veículo de divulgação de publicidade institucional de caráter informativo ou de orientação social dos atos, obras, serviços e projetos governamentais ... resta claro que as notícias veiculadas nos exemplares de julho de 2002 referem-se às informações pertinentes ao governador ... pelo que consta não há potencial lesivo suficiente ao desequilíbrio do pleito eleitoral”.
Voto: Pela improcedência da ação.A Corte, por unanimidade, acompanhou o relator, inclusive o juiz Carlos Eduardo Leite Lisboa e o desembargador Jorge Ribeiro.Interpretação: Em 2002, o jornal A União era uma simples publicação que passava desapercebida. Incapaz de informar ou interferir em um pleito eleitoral.

AIJE 251

Réu: Governador Cássio Cunha Lima (PSDB)
Autor: Procuradoria Regional Eleitoral
Data do protocolo: 30 de setembro de 2006
Data final do julgamento: 10 de dezembro de 2007
Objeto: utilização do jornal estatal A União
Relator: Juiz Corregedor Carlos Eduardo Lisboa
Sessão presidida por: Desembargador Jorge Ribeiro – voto de minerva

Resumo do que disse o relator: O magistrado falou durante cerca de duas horas. O corregedor deu destaque a fotos e notas em colunas sociais e comentários de colunistas políticos. Segundo ele, em várias publicações a imagem de Cássio é enaltecida, enquanto a do seu adversário denegrida. O juiz afirma que há potencialidade para desequilibrar o pleito.
Voto: Pela procedência da ação para cassar o diploma do governador e do vice-governador eleitos, aplicar a multa de R$ 100 mil e inelegibilidade por três anos.A votação ficou empatada em 3 a 3 e o presidente do Tribunal, Jorge Ribeiro, seguiu o relator.Interpretação: Em 2006, o jornal A União tornou-se um campeão de vendas e assinaturas, transformando-se no maior jornal do Estado e com potencialidade capaz de reverter qualquer pleito eleitoral

quinta-feira, 29 de novembro de 2007

Primeiro candidato a sómbolo da Confraria do War

A sociedade Confraria do War, já tem um primeiro candidato a símbolo oficial. Por medida de segurança seu autor deve ser mantido em sigilo, assim como os dos demais candidatos.

As espadas cruzadas representam, nas palavras de nosso desafeto comum, o beligerantismo da disputa, formando na parte inferior um triangulo maçônico. A parte superior temos o orbe terrestre sustentado pelas espadas, uma representação do prelo pela disputa mundial, como se a força bélica (armas) e ideológica servissem de bases para a conquista e equilíbrio terrestre.
O detalhe é que a imagem perdeu um pouco em qualidade uma vez que esta teve que ser reduzida para a hospedagem, mas dá para ter uma ideia da Original.

terça-feira, 13 de novembro de 2007

E não é que a justiça vê!

Jurisprudência parece algo engraçado, pelo menos na infância me valia muito deste recurso, mesmo que involuntariamente. Sempre que me reclamavam alguma coisa errada eu buscava em meu arquivo pessoal se alguém já havia feito algo parecido e havia sido tratado de forma mais amena, e, mesmo sem me justificar terminava por receber tratamento igual.
Mas para a justiça de certo estado, em um determinado país isto não existe. Crimes cometidos num passado não distante são coisas normais e corriqueiras, mas “acusações” de coisas similares são punidas. Parece que não importa muito se a ação é crime ou não, mas sim quem a comete.
Resta aos habitantes daquele tal estado ao menos a certeza que sua justiça não é lá muito cega.

domingo, 11 de novembro de 2007

Prima Vera

Quando a primavera chegar não vão caber em minha casa mais pessoas do que as que nela estão hoje, as pessoas têm uma mania estranha de não pararem no jardim enquanto ele não tem flores. Não querem aguar, adubar, podar... Mas quando ele está florido, ah as pessoas querem entrar, sentar, levar flores para casa.
O incrível disso tudo não é o mal-caratismo dos “ladrões de flores”, afinal admirar crimes é fazer apologia aos criminosos e estes não merecem que se-lhes faça menção. O interessante é o trabalho incessante de pessoas que mesmo vendo as plantas secas conseguem trabalhar na esperança de ver o jardim mais belo. Pessoas assim só podem ter os olhos de Deus, uma vez que o Cantor kim disse com muita propriedade: “Nos galhos secos de uma árvore qualquer, onde ninguém jamais pudesse imaginar o Criador vê uma flor à brotar”
Não que meu jardim seja o paraíso, mas tomando emprestada a frase do apostolo João e adaptando-a ao meu discurso [conheço gente que faz pior, aqui é só para ilustrar]: “Ficarão fora os cães e as prostitutas”...kkkk

domingo, 4 de novembro de 2007

Parei de falar de política

Esses dias estava ouvindo a conversa alheia, habito comum nas instituições de ensino superior brasileiras, principalmente no intervalo entre uma aula e outra quando costumo tomar café com uns amigos, mas consigo dividir minha atenção entre os viciados em cafeína e os outros grupos. quinta-feira eram os “intelectuais de esquerda” [parece uma antítese, não é?], era interessante a atribuição dos critérios: suposta [visto que nada está provado] corrupção no Governo FHC quanto a emenda da reeleição é um crime digno de apedrejamento, mas o mensalão não. A Cassação de um governador tucano foi “o orgulho da Paraíba, visto que deu o exemplo”, mas a manutenção de pessoas no exercício do poder cujas provas contra si são vídeos também é justa. Quando alguém reclama das taxas de juros do governo Lula eles dizem “você é um reacionário da elite opressora que não quer que os pobres sejam beneficiados”, mas falam do arrocho fiscal do governo FHC sem levar em consideração as crises do México, de Hong Kong, da Argentina entre outras, isso para não mencionar os ataques ao World Trade Center, fato este que elevou o dólar a quatro reais e abalou a economia de todo mundo.
Tenho que parar com isso, vou deixar de falar de política, deixarei isto para os gênios de plantão.

sábado, 13 de outubro de 2007

Amor?

O que será que quer dizer o verbo amar? As novelas nos incitam a dizê-la com uma facilidade, como se o mínimo desejo fosse amor. Blaise Pascal dizia: “Se amarmos o corpo de alguém não amamos a ela, pois vindo a varíola levará a beleza deste e com este o amor, se amarmos a memória e o intelecto de alguém, não amamos a ele, pois vindo a esclerose fará com que o amor acabe”. Se não o que está dentro e o que está fora, devemos amar o que?
Putz, Não vou perguntar a Platão [nem aos alunos de filosofia] certamente ele tentaria me responder com perguntas, deixando-me com mais duvidas do que já tenho. Freud diria que é o desejo. Herman Hesse diria que é o desejo que atingiu a sabedoria.
Enfim você que lê responda, por favor, o que é amor?
Diria como Álvares de Azevedo que lavemos as nossas bocas antes de falar do amor, não nos metamos a falar daquilo que não conhecemos nem a essência, não maculemos o único sentimento puro que ainda há!

domingo, 16 de setembro de 2007

Questão de Idade

Mulheres e crianças primeiro! Quem nunca ouviu esta frase? Mas creio que aqui na Paraíba seja: “Velhinhos e crianças primeiro”. E quando a seca estava por vir estes foram embora. Pois segundo dados do IBGE em algumas de nossas cidades mais de 80% da população são eleitores.
As dez cidades em que a revisão foi determinada imediatamente pela Corte do TRE-PB, são aquelas que além de fazer parte da lista elaborada pelo TSE foram mencionados nas solicitações encaminhadas à Corregedoria. São elas: Poço de José Moura, com um percentual de 113,71% referente ao comparativo entre número de eleitores e número de habitantes; Bom Sucesso (97,19%); Cabaceiras (95,84%) [pasmem], Riacho dos Cavalos (94,52%); São Domingos do Cariri (91,58%); Emas (89,27%); Brejo dos Santos (87,15%); Cachoeira dos Índios (83,89%), Mato Grosso (81,46%) e Jericó (80,29%).

Creio que as pessoas se mudem para essas cidades em idade eleitoral e voltem para os locais de origem quando o voto passa a ser facultativo. Ou seria uma espécie de consciência cívica que incentiva os jovens a votar com 16 e as pessoas de idade a continuar votando? Vai saber!

Chumbo Grosso

Fui a convenção municipal do PSDB, vi muita coisa interessante as Cassietes [Tietes do Governador Cássio, sou meio cassiete mas não grito nem uso saias... Acho que sou um cassiôto, leia-se Casse Outro] com suas saias de tamanho inversamente proporcional a suas vozes estridentes. Estavam presentes a fiel militância tucana que dá um espetáculo em todos os eventos tucanos [muita gente para um domingo à tarde] o presidente da Assembléia Arthur Cunha Lima, os Deputados Federais Ronaldo Cunha Lima e Rômulo Gouveia. E o deputado estadual Romero Rodrigues entre outras lideranças tucanas, sem contar os ex-prefeitos Enivaldo Ribeiro e Felix Araújo Filho. E claro o Governador Cássio Cunha Lima. Este agora com um discurso mais duro e crítico a Prefeitura Municipal, atacou a administração de Veneziano Vital do rego Segundo Neto. “Onde estão às creches, uma em cada bairro que ele prometeu? Onde estão os Cajovens? Onde estão as novas idéias de que ele tanto falava? [...] O que se vê, na verdade, não são novas idéias, mas práticas antigas [...] A verdade é que a prefeitura não tem uma obra estruturante, o que ele fez foi recapear aquilo que um dia calçamos... Daqui a vinte anos o que hão de lembrar desta administração? Certamente, não será das creches, nem dos cajovens, diferente da administração de Ronaldo que onde se passa nesta cidade tem sua marca, diferente da de Enivaldo Ribeiro que abriu as grandes avenidas desta cidade proporcionando seu desenvolvimento, diferente de Félix, de Severino Cabral e de nossa administração que construiu o canal do prado e o de Bodocongó” disse Cássio.
E ainda disse que este governo é marcado por sua perseguição política.
“É por que o povo ainda não sabe o que se passa nos corredores da prefeitura” disse o Governador.
Pelo tom do discurso a eleição do ano que vem promete... Afinal Rômulo quer ser prefeito, Arthur quer, Romero quer e há quem diga que o grande trunfo pode ser a candidatura de Ronaldo. Se eu fosse o prefeito eu colocaria os caracois de molho.
Enfim, quem viver, verá!

Instinto

Alguns seguimentos da imprensa são como vermes ou urubus que se alimentam da desgraça alheia, ou ainda como uma erisipela que vive de estragar a epiderme dos outros. Estes na falta de fatos, os criam e já que não tem estatura intelectual para ascender tentam derrubar pessoas para que, subindo nas costas do cadáver consiga parecer mais alto. Não falo somente de seguimentos da imprensa brasileira, esta está em putrefação faz tempo [como posso não generalizar se uma maça podre põe a perder o cesto e neste caso não se trata de somente uma].
Os intelectuais luistanos pegaram pesado no caso Scolari, veja o que disse ator José Pedro Vasconcelos:
"Foi uma fraca exibição que culminou com um cena de falta de formação cívica, intelectual e moral. Um selecionador que agride a soco um jogador adversário deve ser despedido já", afirmou Vasconcelos”.
Com a manchete “Noite negra de Scolari”, o jornal A Bola diz que Felipão estava de “cabeça perdida” e que “furioso com a arbitragem agrediu jogador sérvio após o apito final”.
Uma foto de página inteira mostra a mão fechada do técnico na altura da orelha de Dragutinovic.
A reportagem intitulada “Noite de Tyson Scolari”, ocupa as páginas 2 e 3 e explica que “depois de levar uma palmada no braço, (Scolari) agrediu-o com um soco”.

Isso tudo levando em conta que ele não acertou o soco, imagine se acerta. Perguntaria ao Sr Vasconcelos o que é que instinto tem haver com intelectualidade. Creio que ser intelectual é xingar o adversário, certamente. O que será que um cara desses diria se visse Jesus Cristo entrando no templo armado de um azorrague derrubando tudo e pondo os cambistas para fora?
Certamente gente como ele deve enaltecer Salazar e crucificar Getulio Vargas [Salazar Brasileiro]. Parabéns para o Vasconcelos se ele consegue suportar seus instintos.

quarta-feira, 12 de setembro de 2007

Guerra Limpa

Que os Estados Unidos andam meio sem prestígio isto não é novidade, além de sua política beligerante, ainda vale relevar a não assinatura do Protocolo de Kyoto. Fazendo isto os USA admitiram não ter interesse em diminuir a emissão de gases poluentes na atmosfera.
Hoje pela manhã assistindo o jornal vi uma coisa que há de deixar Bush de olhos abertos. A Rússia desenvolveu uma bomba com proporções de destruição de uma bomba nuclear, mas que não atinge o meio ambiente. Ou seja, uma bomba Nuclear Ecologicamente Correta.
Nesses tempos em que a guerra é inevitável e que muito se fala no efeito estufa, é o que há de mais moderno para uma guerra limpa.
Não quero esperar para ver os caças Bio-Degradaveis, se bem que esta tecnologia é brasileira, uma vez que metade de nossos caças está inutilizada e a outra metade estão apodrecendo...

domingo, 9 de setembro de 2007

Professora pisoteada em São Paulo ECA

O Estatuto da Criança e do Adolescente protege também o menor infrator, isto certamente deve explicar a onda de crimes cometidos pelos mesmos. A certeza da impunidade é a principal mola que impulsiona aqueles em suas práticas ilícitas. Tamanha é a distorção na lei brasileira que os mesmos que não podem dirigir, podem votar. Em suma, aqueles que segundo a constituição são incapazes de guiar um veículo, certamente são capazes de escolher o rumo de um país [erro grotesco].
A situação mostra claramente a falta de limites a qual esses jovens estão acostumados. Observando-a, vemos não só a falta de respeito pela autoridade constituída, antes um desrespeito ao ser humano. Resta observar a revolta da professora que, vítima de agressão, não há de superar este trauma antes da aposentadoria, a impunidade dos criminosos, a omissão por parte da direção e o paliativo dado ao caso pela secretaria de educação do estado [o secretário disse se tratar de um acidente].
E a nós, futuros professores, ficam as nocivas certezas da letargia dos poderes públicos diante de qualquer cataclismo do qual venhamos a ser vítimas e a surdez dos gestores caso venhamos a bradar, mesmo que ensurdecedoramente, por justiça.

Velatom

Parece que o comércio de tintas para cabelo anda crescendo no oriente, e alguns psicotrópicos também, uma vez que certo líder convidou o povo norte-americano a trocar a democracia capitalista pelo Islã, dizendo esta ser a única solução para a guerra. Sem querer entrar no mérito da questão totalitária, vejo o capitalismo como um processo irreversível. O exemplo mais visível é o Neo-comunismo Chavista, que ao passo que ataca o capitalismo, vende sua imagem em relógios e promove uma verdadeira orgia com as finanças públicas sustentando os paises dos quais ele quer conquistar apoio. A exemplo do Petróleo vendido a Bolívia e a Cuba a preço de banana... Do um milhão doado ao carnaval Carioca [este saído da PDVSA – estatal do petróleo venezuelano]. Sinceramente não sei se os Norte-americanos, estes de educação protestante, se curvariam a falta de liberdade de imprensa, não sei se as mulheres norte-americanas que a custa de mortes conquistaram direitos e seu justo espaço, aceitariam as prerrogativas do Islã. Já nós brasileiros nos curvaríamos diante de quem quer que fosse, como nos curvamos a o [i]Moralez. E nos curvaremos ao Chavez se necessário. Dês de que é claro não seja suspenso o Bolsa Renda...Resta-nos especular qual a tinta para cabelo que o Bin Laden usa, será que é americana [que é que tem? Fidel usa Adidas e ninguém diz nada]? Certamente ele só conta para as amigas...

sexta-feira, 7 de setembro de 2007

Já raiou a liberdade no horizonte (um dia ela chega)

Fui ao famoso desfile de sete de Setembro. Na verdade movido pela minha compulsão por ver pessoas. Com exceção dos desfiles das forças armadas tudo aquilo é Colóquio flácido para acalentar bovino – Nas palavras de Humberto de Campos.
Parece que não só eu compartilho desta teoria, uma vez que se muito, metade dos espectadores prestava atenção e as músicas executadas pelas bandas em nada lembravam o quadro de Pedro Américo [se foi verdade ou não é outro assunto, só quero mencionar o quadro de meu conterrâneo. Posso?]. Ano passado lembro de ter ouvido a banda de um colégio tocando “se ela dança, eu danço”... Certamente conseqüência das declarações de Roberto Carlos que disse ver poesia nesta música [deve ser na parte em que Serginho fala que a chapa vai esquentar].
Hoje deveria ser um dia de reflexão, não me importa que tenham sido mulas ao invés de cavalos, que as palavras tenham sido ridículas ao contrário do que a historia registra. Mas parece que com o tempo deixamos de bradar: Independência ou morte! E passamos a sussurrar Independência ou morte? E a escutar Dependência ou Morte!
Os povos alemães certamente escolheriam a morte, como certa mãe que matou os filhos e se suicidou, por acreditar ser impossível viver em outro regime que não o Nazista. Os povos afegãos certamente pegariam em Armas e enfrentariam quem quer que fosse, por julgarem impossível viver em outro regime que não o Talibã. Mas o Brasil, que segundo Augusto dos Anjos, é um povo sem pátria. Ah... Este vai comer pipoca e dançar [Tchan, tchan, tchan... Tchan, tchan, tchan, tchan, tchan] durante o desfile cívico.
Comi um cachorro quente, ôps, minha barriga não está nada bem...

domingo, 2 de setembro de 2007

Domingo no Parque

Hoje pela manhã, fui ao famoso Parque da Criança [meus amigos de outras cidades certamente hão de perguntar: Famoso?] acompanhar um evento chamado domingo no parque. Organizado pela Prefeitura em parceria com o SESI e a TV Paraíba. Aprendi muitas coisas na ocasião.
Bem, apesar dos serviços oferecidos serem voltados às pessoas carentes, a quantidade [e valor] dos carros ao redor denunciava a presença da classe média campinense. Saias curtas, meninas jogando futebol com os meninos, vendedores de algodão doce usando aquela técnica barata de tentar fazer com que as crianças coajam os pais a comprar, casacos pendurados nas mãos [uma vez que na noite do sábado e o inicio da manhã do domingo o frio venceu]. Pensei em comprar algo dos hippies, mas contive-me por respeito a eles, afinal seria uma espécie de consumismo de minha parte.
Por que será que as meninas feias andam em grupo? Ao passar por determinados grupos entendia o conceito bíblico de: “Cada um segundo a sua espécie”. Mas existiam meninas bonitas também e em boa quantidade.
O que é, o que é... Um espaço campinense cheio de trevos de quatro folhas laranja?
“Um evento da prefeitura” – Dirá o menino esperto e perguntará – O que é, o que é...
Uma mulher jovem e bonita segurando a mão de uma criança atrás de uma gorda de saias curtas?
“A tia, o sobrinho e a mãe da criança” – Retrucará o outro [ah... algumas mães não perdem esses costumes, o que torna as belas tias alvos complexos].
Por falar em mulher gorda encontrei ex-colegas de ensino médio, gordas com seios e barrigas enormes segurando na mão de uma criança... O tempo é cruel [e as gorduras saturadas também].
E as atrações? Um grupo [cuja proposta é resgatar vidas de crianças através da música] chamado Molecada coordenado por Fumaça [sem comentários, ou seriam cem...] se comprometeu em fazer uma homenagem a Jackson do Pandeiro dos dez minutos de apresentação quatro foram falando e o resto tocando músicas instrumentais próprias [conceito estranho de homenagem, mas...], A última atração a qual era anunciada com eloqüência era a banda de pagode Tribala [não esperei para ver].
É gozado, os ladrões e marginais de campina só atacam a partir das dez e vinte e anunciam o portão pelo qual vão entrar, esta talvez seja a única explicação para a segurança só se concentrar em um portão e a partir de tal hora. E as sombras, ah... estas estavam muito bem guardadas pela polícia militar, vi pelo menos três grupos cada um em uma sombra, estas devem ser áreas de risco.
Mas, a pesar dos atropelos o evento foi bom e só vem a confirmar a falta do que fazer nos domingos campinenses em que não tem fórmula 1, Campanha política nem trem forroviário...

quinta-feira, 23 de agosto de 2007

Mais perto do que longe

Hoje passei a manhã com o poeta Manoel Monteiro, conversamos sobre a poesia popular nordestina, pude aprender um bocado. A Publicação de meu cordel está mais perto do que nunca. Ele teceu algumas críticas e mostrou pontos que podem ser melhorados. Estes estão sendo trabalhados e espero na data de meu aniversário estar com ele pronto.
Já para a noite o programa é menos formal (E a compania...)

domingo, 19 de agosto de 2007

Fim de semana

Sexta-feira dia 17 de Agosto de 2007

Terminou de fato o meu trabalho em Caturité, sou péssimo com despedias, algumas pessoas me abraçaram, uns velhinhos falaram de meu bisavô e de meu avô uns conheciam, outros ouviam falar. Despedi-me de algumas pessoas como se fosse voltar, mas a verdade é que dificilmente volte lá novamente [a menos que...], ficam as lembranças dos dias em que cheguei lá com medo [e tinha razões], fiz amigos, conheci meninas bonitas, umas deram atenção, outras nem me notaram, umas falaram comigo dês de minha chegada, outras esperaram o último dia [algumas nem isso]... Esta é a vida...
Estou com muitas saudades de tudo e de todos em especial: de meus colegas de almoço Cabo Chagas, Cabo Nascimento, Sargento Benedito, Adriano Cagepa, dos secretários Jair (agricultura) e Gilberto (educação), de minhas amigas Danny e Rosinha que sempre me deram atenção e de outras pessoas que por questões de segurança não vou me reportar nominalmente. Espero voltar a Caturité. Resta-me o conforto de sair de cabeça erguida deixando apenas lembranças boas aos que me conheceram.

Sábado dia 18 de Agosto de 2007

Ontem fui a o casamento de um amigo com quem brinquei de futebol na infância, essas coisas são engraçadas, pois nos dão à noção exata de que o tempo está passando [parece que vinte e três anos são realmente muito tempo]. A cerimônia foi impecável e ele chorou durante toda ela. Parecia aquele menino que na infância chorava por necessidades infantes só que agora chorando como um homem pela emoção de algo pelo qual realmente vale a pena chorar. Voltei pra casa com um desejo e uma certeza...
O desejo que eles sejam felizes e a certeza que estou ficando velho deveras.
O que será que o domingo me reserva?

domingo, 12 de agosto de 2007

Anacronia

Ia eu para a casa de minha irmã estudar um pouco de Latim e finalizar o Emule que baixava alguns arquivos para mim... Boom! Uma porcaria de um transformador estoura deixando metade do bairro da liberdade sem energia elétrica. Pensei em conspiração do acaso, fiquei com raiva. Depois sentei um pouco e vim para uma Lan Hause na parte “eletrificada” da Liberdade, barulhos ensurdecedores de fogos de uma procissão e crianças mal-educadas (essas extremamente barulhentas e gasosas) fazem da estadia da lan Hause um inferno (os mal-educados deveriam ir perdendo, gradativamente, a voz e as flatulências deveriam ter cor).
Namorar na falta de luz seria bom, mas estou sem namorada... Comer churrasco (às vezes felino) e beber coca-cola com os amigos, talvez. Mas meus amigos estão longe e estou sem dinheiro. È a eterna anacronia das coisas... O que fazer? Não perguntarei a Ana Cristina César, nem ao palhaço Pipoquinha...

terça-feira, 31 de julho de 2007

Slow Motion

Ainda estou meio slow motion, talvez conseqüência ou do cansaço do trabalho temporário ou do marasmo das férias acadêmicas. Mas iniciam-se as aulas e finda-se meu contrato, só restam alguns poucos problemas a serem resolvidos antes de entregar o cargo. Agora a lei é dar prosseguimento aos projetos interrompidos e traçar novas metas.
Esses dias, estava lendo o Diogo Mainarde e vi escrita uma idéia que tive, mas que por falta de imunidade parlamentar e de costas quentes não ousei postar (afinal, minha estória de escrever sobre políticos não é muito feliz). Fez ele uma alegoria com o cavalo que Calígula nomeou senador e um certo senador eleito pelo povo (Calígulas do sistema democrático). Mas vendo alguns comportamentos e alguns políticos provincianos que moram nas graças do povo, questionaria se os cavalos realmente são os senadores ou...(se bem que...)

domingo, 22 de julho de 2007

A Bruxa Está Solta

Esta semana foi recheada de novidades e de fatos estranhos, pelo menos para mim. Ainda estamos sobre o choque do Acidente [com “a” maiúsculo mesmo] em Congonhas, de quem é a culpa, do Lula, da Pista, dos engenheiros? Reformas foram feitas nas estradas e elas estão esburacadas, reformas foram feitas nos aeroportos entretanto... Vão terminar pondo a culpa no piloto.
Estava lendo um jornal local de minha cidade onde dizia: “morre o último coronel” fiquei pensando: “será que vencer sucessivas eleições e ser um empresário bem sucedido faz de alguém um coronel, ACM não é o primeiro que vejo chamarem por este título”, alguns externavam alegria pela morte deste, quando questionados sobre o porquê, de dez, sete não sabiam o que dizer e os outros três mencionavam o caso do painel eletrônico. Sei que corrupção não se justifica por jurisprudência, mas este caso do painel não é nada comparado a os casos mais recentes, se fossem medir pela mesma régua seria aberta a temporada de caça aos parlamentares. Sentirei falta do ACM [eu e grande parcela dos baianos e brasileiros em geral]. Resta esperar e ver o dano causado nos Democratas.
Ontem vinha para a casa de minha irmã [depois de um dia perfeito e tranqüilo] tomei uma bela de uma topada e assisti a um homem das cavernas que levava a namorada, gritando, pelos cabelos. Foi um espetáculo acho que eles tinham entre 16 e 17 anos, houve tumulto, juntou gente e no final ela o abraçou e foram felizes para sempre [assim disseram, pois fui embora] Prefiro um namoro mais calmo... Isso pode parecer preconceituoso, mas elas devem gostar de homens assim [dizia Nelson Rodrigues]... Calma meninas não faço couro com o Nelson.
O Grande Prêmio da Europa foi no mínimo inusitado [o que prova que estou certo em chamar a F1 de Corrida Maluca], alguns trechos da pista lembravam até Congonhas. Após rodadas e sobradas o Massa [nosso Barão Vermelho] conseguiu um segundo lugar amargo uma vez que perdeu a posição nas últimas cinco voltas e ainda teve que ouvir desaforos de Alonso.
Ganhamos o ouro no handebol em cima de los hermanos argentinos que, diga-se de passagem, continuam maus perdedores. Comenta-se que o prêmio de consolação é uma passagem para uma província de Buenos Aires chamada La Plata [maldade não é].
Bem, só podemos concluir como disse certo jornal: Com o Pan e a TAM esqueceram do Renan...

sábado, 14 de julho de 2007

Ouro, Prata, Bronze

A abertura dos Jogos Pan-americanos do Rio foi simplesmente brilhante, também, não era de se esperar menos daqueles que produzem um carnaval com aquela envergadura. A transmissão da Rede globo pecou um pouco uma vez que algumas imagens deveriam ter sido feitas [uia composto por quatro verbos] de cima, mas somando e dividindo ficamos na média, E Lula? Já disse várias vezes que não gosto dele, mas [não por ele, e sim pelo país] aquilo não deveria ter acontecido, não falo das vaias afinal ele merece, mas o cerimonial pecou em não ter deixado que o mesmo abrisse os Jogos [e não me venham com aquela desculpa esfarrapada de que foi para evitar mais vaias, qual a vergonha maior?]. Hoje já tivemos algumas medalhas das quais destaco a da Poliana Okimoto de prata na Maratona Aquática, e a da Equipe de ginástica artística masculina da qual destaco Victor Rosa que a pesar de uma forte lesão no pé esquerdo foi vital para a conquista. Logo mais teremos a equipe feminina.
Vamos torcer para que as medalhas continuem a vir e a organização do evento, esta sim merece ouro.

Censo I

O Censo está acabando na Cidade a qual trabalho, pessoalmente o saldo foi positivo, deixo, lá, bons amigos, portas abertas, conhecidos e nenhum desafeto. Tenho excelentes lembranças como a de uma pessoa que me dava informações com uma faca na mão contornando as estradas do mapa e depois, instintivamente, me apontando a faca perguntou: “Entendeu”?
E meus recenseadores? Estes enfrentaram cobras e cães na zona rural, mas valorosamente até aqui tem feito o seu trabalho. Meio zangados com alguns procedimentos administrativos, mas a vida é assim. O que vale é que no todo estamos bem.
Ao mencionar o nome de meus avós e bisavós achei alguns “parentes”. Encontrei alguns bilhetinhos no posto de coleta...
Mas o bom de tudo foi ter convivido com a realidade de nossa zona rural de pessoas que a pesar das dificuldades sempre se empenham em nos atender da melhor forma possível, às vezes até de maneira exagerada.
È bom, às vezes, ser bem tratado para variar um pouco, é bom ser visto pelo que é e não pelo que tem às vezes... Não sei se haveremos de prorrogar tais datas, mas já estou com saudades dos censos 2007.

quarta-feira, 11 de julho de 2007

Dia de Cão (ou o cão do dia?)

Hoje acordei com um mal-humor dos limbos, a noite contribuiu para isso (levando-se em conta que o Brasil venceu)... Pela manhã levantei daquele jeito, a primeira coisa que vi foi Renan Calheiros dizendo que não deixa a presidência do Senado, fui ao trabalho e tive um pequeno desentendimento com um de meus superiores (este pelo menos surtiu efeito), fui para o ponto de ônibus... Um homossexual me cantou da forma mais escancarada possível (pensei em dar-lhe um soco, mas fui inibido pela educação que recebi em casa e um dose de covardia também).
Enfim meu ônibus surge no horizonte, corri para ele como um flagelado da seca corre para um carro pipa (estava lotado de modo que tive que ir em pé até Caturité). Uma briga tirou o restinho de minha paz, um valentão discutia com um velhinho, dizendo que este estava se esfregando na sua irmã (Odeio quem fala gritando em espaços fechados... Eu e a torcida da seleção chinesa).
Todas estas coisas devem acontecer desapercebidamente todos os dias, pessoas mal-educadas, políticos enrolados, homossexuais que não respeitam as pessoas... Mas a dor e a tristeza aguçam nossos sentidos de modo que as coisas são desbotadas. Acredito que se estivesse de bom-humor a briga seria engraçada, o Renan seria engraçado (se bem que...ôps) e até mesmo as cantadas seriam motivos de chacota.
Mas o conceito que damos as coisas depende mais de nosso estado de espírito do que de como elas são. Nada necessariamente é, as coisas estão. Então os defeitos não está em como as coisas vem a nós, mas de como nós vamos até as coisas...

terça-feira, 10 de julho de 2007

Pitty a Trovadora do Caos

Dizer que nossa sociedade vive em caos não é nenhum absurdo, protestar contra isso seria cair na mesmice de alguns, mas a imitação em si não é condenável o que condeno é a qualidade desta (aliás eu e Platão).
Nesta crítica ao Caos cotidiano destacaria a cantora baiana Pitty que de forma original se destaca seu protesto contra aquele. Voltada para o público mais jovem esta utiliza a linguagem daqueles, mas incorpora ao seu discurso teorias consagradas pelo academicismo como a de Thomas Hobbes [Homo Homini Lupos].
Na canção Admirável Chip Novo a cantora fala da velocidade com que as informações nos chegam e da espécie de involução [maquinização - Uia, vai dizer que esta palavra não ficaria bonita] que o ser humano vive, que com todo o aparate tecnológico tem se afastado cada vez mais de sua essência. Idéia esta que é ratificada de forma brilhante na canção Anacrônico.
È interessante à maneira com que a cantora baiana fala de amor, são estórias que pela caoticidade tem suas respectivas verossimilhanças fortalecidas. Amores instáveis, de pessoas comuns que fazem bobagens, de pessoas que sonham acordadas, não com príncipes encantados, mas com pessoas normais, detalhes bobos como cara de sono e timbre de voz dão um tom diegético as estruturas produzidas pela mesma.
O melhor de tudo é que ela o faz com uma linguagem acessível, mas nem por isso peca em, conteúdo e profundidade. Fala das coisas como a juventude gostaria de falar.

domingo, 8 de julho de 2007

Maracutaia

Quando estou tomando banho tenho uma sensação estranha, é como se alguém me observasse da janela do banheiro, um engenheiro da McLaren. Tenho que jogar minha toalha vermelha fora...
É incrível o quanto tudo tem preço neste mundo, isto tira a diegese da vida, dês de que Rubinho cedeu a vitória a Schumacher no GP da Áustria de 2002, passei a ver a Fórmula 1 com outros olhos, mas esta da espionagem foi digna de Dick Vigarista da Corrida Maluca.
É de se questionar se tudo que vemos não é uma farsa, se em todos os esportes os campeonatos não são decididos assim. Uma meio dúzia de empresários definiria tudo e custa do que fosse (isso até me lembra um governo de um certo pais).
Viveríamos então num grande “Teatro dos Vampiros”.
Isso explicaria muita coisa, inclusive à escolha do Cristo Redentor como uma das sete maravilhas do mundo (também, quem não votaria no Filho do Homem, dirá algum engraçadinho... Cazuza diria:”Estranho o teu cristo rio que olha bem longe além, com os braços sempre abertos, mas não preteje ninguém – “Não me chamem de venenoso”).
Ah se as pirâmides do Egito falassem, os Boxes da Ferrari e Marcos Valério falassem!

sábado, 7 de julho de 2007

E não que sou normal

Hoje estou meio que melancólico [pra variar], ouvindo uma versão acústica de More Than Words do Extreme. Não! Não tentei serrar os punhos! Parece que quando estamos sensíveis, pensamos melhor ou temos uma visão triste das coisas [visão esta que reflete a realidade].
Blaise Pascal tinha razão em dizer que não somos felizes e que se o fossemos não procuraríamos o divertimento, uma vez que já estaríamos completos. Vivemos numa espécie de ilusão voluntária. Disse Pascal: “Não podendo evitar a morte e o sofrimento, o homem toma partido de não pensar neles”.
Sendo assim, hoje tenho apenas um lampejo de naturalidade, sou, talvez por minutos, um homem melancólico, frustrado, tenso, dualista e normal.
Mas é realmente meio assustador ter vivido um quarto de vida [talvez um terço] e notar todos os seus projetos caminhando em marcha lenta. Será que vou poder iniciar os projetos? Quando eu os puder iniciar, valerão ainda à pena? Poderei usufruir de seus frutos na plenitude da vida?
São dúvidas cruéis, porém possibilidades perfeitamente possíveis [por que não dizer prováveis?].
Provavelmente amanhã acordarei de bom humor e esquecerei isso, me recrearei durante o dia e não pensarei. Quem sabe dance e chegue em casa cansado e sem paciência para retomar a reflexão que só voltará a pauta na próxima melancolia?
Este sou eu com medo, infeliz, sempre insatisfeito... Este é o homem!

quinta-feira, 5 de julho de 2007

Pan(demonium)

O Brasil respira emfim os ares do dito Pan o qual tem colocado “lado a lado” César Maia e Polvo, ôps, Lula (ah são todos frutos do mar mesmo). Não só Democratas e Petistas, mas também atletas e torcedores de todo Brasil. O que preocupa todos é a questão segurança, afinal temos que fazer bonito para alavancar a candidatura para sediar uma Copa do Mundo.
É louvável a iniciativa dos governos (e olhem que não gosto do Lulito) descerem dos palanques e darem as mãos, mesmo que com interesses escusos. Afinal se fossemos atentar para as razões, todas as boas coisas seriam desprezíveis, visto que os mais belos heroísmos são movidos pelas mais mesquinhas razões.
Já que fingem ter grandeza, vamos fingir que os aplaudimos, afinal mentir e dissimular é uma regra para conviver bem em sociedade, os que se arrogam de dizerem o que pensam o fazem por vaidade e não dizem o que pensam sempre, ou seja (cerveja) mais uns sem critério que certamente se acotovelam nas filas dos... (digo nada).
Mas, o Pan vem aí só me resta beber coca-cola em frente a televisão, esquecer que descontaram 7% do meu salário e que os impostos vão levar o resto, esquecer do caso Renan Calheiros e de todo lixo varrido para debaixo do tapete vermelho do governo de Alibabá e os quarenta ministros e torcer para a equipe brasileira em especial para os paraibanos Edinalva Laureâno (do atletismo), Edinancir Silva (judô) e Kaio Márcio (natação) se me esqueço de outrem perdão.

quarta-feira, 4 de julho de 2007

Tempo

Ver as areias da ampulheta da vida escorrer às vezes é meio assustador. Imagine o que são, por exemplo, oito horas de sono diárias – Sei que algum especialista em tudo, destes que procuram a doutrina de Jean J. Rousseau em gibis da turma da Mônica. Dizendo: “Mas o corpo necessita” –... Bem, não vou argumentar contra isso, pois me reporto a pessoas que pensam e para estas não preciso explicar, já para os outros não adianta.
Mas imagino o que seriam oito horas a mais de leitura, oito horas de risadas a mais... Enfim oito horas a mais de vida.
Como se não bastasse isso temos oito horas de trabalho diárias, que n verdade não são oito, pois o horário de almoço é perdido, somadas a no mínimo mais meia hora de trajeto de ida e de vinda temos: 8 + 2 + 1= 11 horas perdidas. – Vai aparecer alguém que dirá: ”O Trabalho dignifica o homem”. Gozado, trabalho há oito anos e. (deixa para lá).
Tudo que nos sobra são cinco horas para ler, namorar, ser filho, pai, se divertir e preparar as atividades do dia seguinte.
E ainda há quem consiga perder essas cinco horas. Como?
A resposta é Introspecção, faça uma q você certamente saberá.

domingo, 1 de julho de 2007

Taj Mahal

Dos túmulos o suntuoso e belo
Do exército melancólico o forte
Mascara alva e marmórea da morte
De um corpo morto e podre o castelo

Diadema dos reais pesadelos
Repousar em cabeça alguma ousa
Pois da cabeça que em ti repousa
Talvez nem restem ossos só cabelos

Tua beleza divina e profana
É espelho da condição humana
De seu amor pequeno e limitado

Não importa o quanto o amante deseja
Por mais titânico que o amor seja
Acaba triste, morto e sepultado!

Vigésima Primeira Maravilha do Mundo

Eu acredito que devemos prestar reverencia em primeiro lugar as coisas que são nossas, porém negar a realidade é ser medíocre. Concordo que a vista de cima do Corcovado é bela. Mas querer coloca-lo no patamar dos demais concorrentes é uma grande falta de bom senso. Estes estão provando que além de não termos “maravilhas” não temos também pessoas que entendam um pouco de arte.
Amo o meu país e sei que temos muitos valores e coisas belas. Porém estamos falando de nada menos que: Acrópole, o templo maia Chichen Itzá, as Estátuas da Ilha de Páscoa, a Grande Muralha da China, Machu Picchu, Petra (Jordânia), o Taj Mahal e a Torre Eiffel.

Estas são as mais bem classificadas, preste atenção nas vinte e uma maravilhas do mundo pré-selecionadas pela fundação New 7 Orders (para concorrer como novas sete maravilhas do mundo contemporâneo):

1. Acrópole de Atenas, Grécia;
2. Alhambra - Granada, Espanha;
3. Angkor - Camboja;
4. Basílica de Santa Sofia - Istambul, Turquia;
5. Castelo de Neuschwanstein - Füssen, Alemanha;
6. Chichén Itzá - Yucatan, Mexico;
7. Coliseu - Roma, Itália;
8. Cristo Redentor - Rio de Janeiro, Brasil;
9. Estátua da Liberdade - Nova York, EUA;
10. Estátuas da Ilha de Páscoa - Chile;
11. Grande Muralha da China - China;
12. Kremlin - Moscou, Rússia;
13. Machu Picchu - Peru;
14. Opera House - Sydney, Austrália;
15. Petra - Jordânia;
16. Pirâmides de Gizé - Egito;
17. Stonehenge - Amesbury, Reino Unido;
18. Taj Mahal, Agra - India;
19. Templo Kiyomizu-dera - Kyoto, Japão;
20. Timbuktu - Mali;
21. Torre Eiffel - Paris, França.

Não sou lá muito bom em arte, mas creio que nosso Cristo não está a altura de tais maravilhas, como não está a altura de nossas Catedrais Barrocas e de outros monumentos brasileiros. Porém aguardemos e ouçamos o Alemão pedir votos para o Cristo “em nome da boa fé do povo brasileiro”.